Querem que eu torça...


Aline Martins
Redação d'O Historiante.


Nessa Copa tenho me recusado a torcer pela seleção brasileira, também não torço contra. Simplesmente não torço. Procuro ignorar as partidas.
Creio mesmo que a última Copa pela qual torci pela seleção, me emocionei e vibrei de verdade foi a de 1994. Tinha então 14 anos à época.
Alguns amigos e familiares estranham, me questionam, me cobram.
Querem que eu torça...


Na verdade, estou torcendo... Há muitos anos aliás. Torço sim, não pela seleção, mas pelo meu país.
Torço por segurança.
Torço por saúde
Torço por moradia
Torço por educação

Sou professora da Rede pública estadual e estou em greve novamente.
Eu, juntamente com outros professores da Rede Estadual e Municipal temos ido às ruas denunciar as mazelas da educação e por isso, meus companheiros e eu somos perseguidos. Não há negociação, para nós é só "tiro, porrada e bomba". Assim como para outras categorias que também estão em greve.
Agora somos ameaçados de exoneração por termos nossas greves consideradas ilegais. Aliás, brevemente publicarei um texto sobre a tentativa do governo de acabar com o direito legítimo dos trabalhadores a fazerem greve.
Como posso ignorar isto?

Como ignorar meu colega professor arrastado pelas ruas do Rio por lutar por educação pública de qualidade para o filho do pobre?


                                      
                                                  Foto tirada em manifestação na Lapa - Rio de Janeiro


Como posso ignorar os gastos absurdos com a realização desse evento, enquanto as escolas estão caindo aos pedaços e sem alimentação decente para nossas crianças?


                                       
                
Foto de escolas de Cachoeiras de Macacu - Rio de Janeiro

Como posso ignorar que em muitos desses belos estádios espalhados pelo país há sangue de operários? 


Como fingir que não vi famílias serem escorraçadas de suas residências e que uma verdadeira limpeza social e um processo de gentrificação vem sendo feito pela cidade do Rio de Janeiro e em outras cidades do país?

http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2013/06/130614_futebol_despejos_cm_bg.shtml




Como ignorar que uma elite assiste aos jogos nas arenas confortavelmente, enquanto a maioria da população assiste pela TV em casa, pois não pode nem cogitar comprar os ingressos, apesar de seus impostos também serem usados na construção de estádios que podem se tornar posteriormente elefantes brancos.

Como ignorar a total subserviência de nosso país a uma entidade estrangeira como a FIFA, que empoderada por um governo vira-lata, passa a legislar em prol de uma elite empresarial, interferindo em nossa cultura, festejos e estilo de vida, abrindo um chaga brutal em nossas próprias tradições, maculando muito daquilo que nos define enquanto nação .



Sinto muito, mas não dá para torcer, não dá para gritar gol...

Sei que os problemas que temos não surgiram com a Copa, mas muitos foram piorados pela realização dela

Quero sim, cantar as alegrias de ser brasileira, as belezas de meu país como se não houvesse amanhã.
Pois sim, meu país é lindo, maravilhoso, com uma cultura riquíssima. Não entro nessa de que os outros países são melhores que o Brasil para se viver, mas não fecharei os olhos a tudo de errado que aqui acontece. Às grandes contradições de minha nação, de minha pátria que vai muito além das chuteiras.

Quero cantar sim meu país em verso e prosa, exaltá-lo, porém somente quando ele puder ser usufruído por todos, quando todos o que aqui vivem forem tratados como verdadeiros cidadãos, quando tiverem o respeito que merecem. 


Até lá sigo no "Não vai ter Copa" que, espero compreendam,  é um grito por justiça e não um desejo literal, já que a Copa está acontecendo e iria acontecer de qualquer maneira. Ou ainda, se preferirem, gritarei aos sete ventos:  "Na Copa vai ter luta".


E a luta  não termina aqui...















Nenhum comentário:

Postar um comentário

'Mande mais vinho', diz placa de 2 mil anos desvendada por cientistas.

O autor da ordem foi o soldado hebreu Hananyahu, que escrevia para seu amigo Elyashiv, no ano 600 a.C. na região que hoje conhecemos co...